Princípios do ESG (Environmental, Social and Governance)

Muito se fala de ESG e de seus critérios ambientais, sociais e de governança. Juntos, esses 3 fatores são um conjunto de padrões que as empresas usam para alavancar seus negócios e selecionar investimentos com bom potencial.

Por trás de todo sistema de gestão, incluindo os relacionados ao ESG, devem existir princípios aos quais a organização deve seguir. Esses princípios estão muito relacionados aos valores da empresa e vão ajudar a definir qual caminho seguir para executar boas práticas e, assim, alcançar resultados.

Entretanto, como não existe nenhuma norma que contemple o ESG como um todo, podem ocorrer dúvidas na cabeça dos implementadores. Então, por isso, vamos analisar porque o ESG surgiu e como os princípios do Pacto global da ONU podem ser relacionados a ele.

Surgimento do ESG e os 10 princípios do Pacto Global da ONU

No último artigo, comentamos que a sigla ESG surgiu de uma provocação do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, através de um relatório feito pelo Pacto Global da ONU em parceria com o Banco Mundial. Tudo com o objetivo de levar as empresas a pensarem no seu impacto na sociedade e no meio ambiente.

A ONU propôs, então, uma forma de integrar fatores da defesa da sustentabilidade corporativa e ajudar as empresas a incorporar fatores ambientais e sociais. Para isso, ela forneceu 10 princípios universais que norteiam o Pacto Global. O objetivo era que as empresas pudessem se nortear e cumprir responsabilidades básicas com o meio ambiente e com a sociedade.

Conhecendo os 10 Princípios do Pacto Global da ONU

Os 10 princípios apresentados pela ONU podem ser divididos em 4 grandes tópicos: Direitos humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Anticorrupção. Vamos conhecer cada um deles.

Direitos Humanos

  • Princípio 1: “As empresas devem apoiar e respeitar a proteção dos direitos humanos proclamados internacionalmente”
  • Princípio 2: “Certifique-se de que eles não sejam cúmplices de abusos de direitos”

Direitos do Trabalho

  • Princípio 3: ‘As empresas devem defender a liberdade de associação e o reconhecimento efetivo do direito à negociação coletiva”
  • Princípio 4:” A eliminação de todas as formas de trabalho forçado e obrigatório”
  • Princípio 5: “A abolição efetiva do trabalho infantil”
  • Princípio 6:” A eliminação da discriminação em relação ao emprego e ocupação”

Proteção Ambiental

  • Princípio 7: “As empresas devem apoiar uma abordagem preventiva aos desafios ambientais”
  • Princípio 8: “Realizar iniciativas para promover maior responsabilidade ambiental”
  • Princípio 9: “Incentivar o desenvolvimento e a difusão de tecnologias ecologicamente corretas”

Anticorrupção

  • Princípio 10: “As empresas devem trabalhar contra a corrupção em todas as suas formas, incluindo extorsão e suborno”

Relação dos 10 princípios do Pacto com o ESG

Estes princípios do Pacto Global têm como objetivo a busca do desenvolvimento de um mercado mais justo, inclusivo e sustentável. Mesmo que não haja princípios específicos para um ESG, podemos relacionar os 10 princípios do pacto aos critérios ESG.

Os princípios de Meio Ambiente, por exemplo, propõem realizar iniciativas de responsabilidade ambiental, difusão de tecnologias ecologicamente corretas e o apoio a abordagens preventivas ao meio ambiente. Tal como o tópico “Ambiental” do ESG, que se refere às práticas da organização em relação à preservação do meio ambiente.

Já os princípios de Direitos Humanos e do Trabalho fomentam que as empresas devem respeitar e proteger seus colaboradores e demais pessoas da sociedade. Para isso é preciso certificar-se de que ocorre a exclusão de trabalho forçado e infantil, e que a empresa não seja cúmplice de abuso aos direitos humanos.

Podemos dizer, então, que esse princípio (Direitos Humanos) está integrado ao tópico “Social” do ESG, relacionando-o à responsabilidade e ao impacto da empresa em prol da comunidade. Para isso, podemos citar o respeito aos direitos humanos e às leis trabalhistas, por exemplo.

O último princípio, da Anticorrupção, propõe que as organizações devem se dedicar a trabalhar contra a corrupção em todas as suas formas. Isso significa extinguir de seus processos extorsão e suborno nas corporações. Assim, relacionamos esse princípio com a “Governança” (G do ESG) que são as boas políticas de administração das empresas.

Vale frisar que assim como o ESG, o Pacto Global não é nenhum órgão regulador ou certificador e sim um conjunto de iniciativas orientadoras para empresas que buscam ações sustentáveis para suas atividades.

ESG: boas práticas para uma empresa mais sustentável

Praticar ações voltadas ao ESG em conjunto com os princípios do Pacto Global pode ser uma boa estratégia. Afinal, uma empresa que está em conformidade com estes princípios entende melhor quais são seus impactos positivos e negativos e como ela pode ser vista pela sociedade.

Implementar um ESG não vai apenas ajudar a minimizar o impacto causado ao meio ambiente, mas também ajudar a combater os males da sociedade e da corrupção que ocorrem nos dias atuais. Isso ajuda a melhorar o país como um todo, melhora a economia e, é claro, traz mais resultados para as empresas!

QMS Certification

QMS Certification

A QMS Certification é um organismo de certificação internacional acreditado que atua especificamente com certificação de sistemas de gestão e treinamentos de normas aplicáveis.

Webinar do mês

Confira nossos conteúdos ao vivo!

Todo mês ensinamos ao novo gratuitamente, confira e se inscreva!

Nos webinars que você assistir ao vivo, há liberação de um certificado de participação ;)

Logo Q Academy Branco

Cursos online de
Sistemas de Gestão

Tratamento de Não Conformidades: Análise de Causa

Tratamento de Não Conformidades: Análise de Causa

No universo da gestão de qualidade, um dos aspectos mais cruciais é o tratamento eficaz de não conformidades. A análise de causa é um procedimento indispensável nesse contexto, proporcionando um caminho para evitar sua recorrência. Saiba mais!

Guia Completo Acreditação ONA

[Guia Completo] Acreditação ONA

Em 1 de março de 2024 a QMS adquiriu a TS4 Saúde e agora atua como uma instituição acreditadora credenciada (IAC) ONA. Mas afinal, o que é ONA?