HAZOP: entendendo o Estudo de Perigos e Operabilidade!

Neste artigo, vamos conhecer o HAZOP e a importância dessa metodologia para o gerenciamento de riscos da sua empresa

Toda organização, seja de pequeno ou grande porte, está sujeita a encarar procedimentos, atividades, tarefas e operações que podem gerar riscos ao seu negócio. Dessa forma, foram criadas diversas metodologias (ou ferramentas) com o objetivo de ajudar a prevenir a ocorrência de possíveis problemas e ajudar a otimizar os processos.

O HAZOP é um desses métodos. Ele foi criado nos anos 60, no Reino Unido, para promover uma produção de qualidade e procedimentos mais seguros para as organizações.

Neste artigo, reunimos as principais informações para você conhecer essa ferramenta e descobrir como ela pode ajudar sua empresa. Então, continue acompanhando a leitura para entender melhor esse assunto! 😁

O que é o HAZOP (Hazard and Operability Study)?

A sigla HAZOP significa Hazard and Operability Study, e na tradução para o português quer dizer Estudo de Perigos e Operabilidade. Essa ferramenta é uma metodologia que tem como função identificar riscos associados ao processo produtivo.

Seu método é baseado em um procedimento que gera perguntas de maneira sistemática através do uso apropriado de um conjunto de questionamentos.

É comum ver esse método sendo aplicado na indústria de construção, onde estão mais envolvidos processos elétricos ou mecânicos. Isso com o objetivo de evitar acidentes e garantir mais segurança aos trabalhadores.

Entretanto, o HAZOP pode ser utilizado em qualquer organização, pois seu foco é identificar possíveis problemas nos períodos iniciais do desenvolvimento de um projeto ou execução de um processo, e ajudar a identificar quais riscos podem surgir no sistema e sua execução.

O método realiza uma investigação detalhada de cada etapa do processo, para encontrar possíveis desvios, identificar a sua causa e propor medidas para solucionar estes problemas. Estas medidas de solução e prevenção são divididas em dois pontos principais:

  1. Problemas na operabilidade: ou seja, algo que possa vir a comprometer a produção;
  2. Riscos: todas possíveis ações que estão associadas a segurança dos colaboradores, sistemas ou ao meio ambiente.

Como colocamos o HAZOP (Estudo de Perigos e Operabilidade) em prática?

Para processos contínuos, o Estudo de Perigos e Operabilidade (o HAZOP), pode começar com o uso de um mapa do processo em fluxograma.

Para aplicar o método HAZOP pode ser elaborada uma planilha no excel ou em algum software específico, dependendo da demanda da sua organização.

Não existe um modelo único ou correto, por isso apenas uma planilha pode já ser o suficiente para apresentar e registrar informações que serão utilizadas durante todo o processo.

Mas é recomendado seguir alguns passos, pois o HAZOP analisa sistematicamente cada elemento em um processo para encontrar possíveis situações que representem um perigo na operação.

Para que ele seja implementado, é recomendado que se forme uma equipe de até 8 integrantes experientes da organização. De preferência aqueles que tenham conhecimento sobre o processo a ser analisado. Estes devem avaliar, conhecer e identificar quais os procedimentos do sistema e suas possíveis variáveis.

Dando continuidade, as etapas a se seguir para aplicar o método seriam:

  • Identificar quais são os desvios que o processo pode apresentar;
  • Determinar quais são as causas;
  • Identificar quais são as possíveis consequências;
  • Sugerir caminhos de como detectar e prevenir os desvios;
  • Avaliar o risco de acidentes;
  • Determinar medidas que visam reduzir a causa dos riscos;
  • E, por fim, documentar tudo isso realizando um relatório.

Todo esse procedimento tem enfoque na segurança dos colaboradores, para identificar qualquer processo que venha colocá-los em perigo. Porém, também focamos em identificar a causa na operabilidade dos equipamentos, qualidade do serviço ou produto, ao meio ambiente ou eficiência dos colaboradores. Gerando, assim, melhoria para a organização como um todo.

Uma vez verificadas as causas e as consequências do desvio, este método busca propor medidas para eliminar ou minimizar o perigo e solucionar o problema de operabilidade.

O HAZOP pode ser usado na fase de projeto de novos sistemas, durante modificações ou ampliações de sistemas já em operação. Bem como, pode também ser usado como método de revisão dos processos de segurança das organizações.

O HAZOP pode ser uma técnica importante para sua empresa!

O HAZOP pode ser importante para sua empresa caso você queira identificar previamente possíveis situações que poderiam causar falhas em seu sistema. Com ele, você pode ser capaz de prover ações corretivas, antes que algo não planejado aconteça.

Através do método HAZOP, você pode ter mais controle em seus procedimentos, processos e serviços, investindo em métodos de prevenção dos riscos. Outro ponto a destacar é que esse método permite reduzir os custos na empresa. Isso porque quanto antes identificados os erros, mais rápido eles podem ser prevenidos e solucionados.

Dessa maneira, o HAZOP é uma ótima ferramenta para potencializar a segurança e eficiência na sua organização. Através dessa metodologia, você pode estar sempre um passo à frente de possíveis situações indesejáveis!

QMS Certification

A QMS Certification é um organismo de certificação internacional acreditado que atua especificamente com certificação de sistemas de gestão e treinamentos de normas aplicáveis.

Webinar do mês

Confira nossos conteúdos ao vivo!

Todo mês ensinamos ao novo gratuitamente, confira e se inscreva!

Nos webinars que você assistir ao vivo, há liberação de um certificado de participação ;)

Logo Q Academy Branco

Cursos online de
Sistemas de Gestão

Compliance no Terceiro Setor: Entenda a sua importância

Compliance no Terceiro Setor: Entenda a sua importância

O terceiro setor é uma esfera da atividade econômica que engloba organizações não governamentais (ONGs), associações, fundações e outras entidades que atuam com finalidades sociais, ambientais, culturais ou de desenvolvimento comunitário, mas que não raras vezes são usadas para prática de fraudes, por isso o Compliance no