Conheça o design thinking e saiba como ele pode ajudar sua empresa!

Neste artigo, vamos falar sobre o método de design thinking, quais são suas fases de aplicação e como ele pode ajudar sua organização!

 A todo momento, o mercado de trabalho e as necessidades dos clientes estão em constante mudança, sendo necessário inovar e usar da criatividade para atender as demandas. Porém, essa necessidade de inovação constante pode ser um pouco complicada, pois ser inovador e criativo a todo momento é um tanto desafiador.

Mas calma, nem tudo está perdido, pois é nessa etapa que o design thinking pode ser usado para te ajudar nesses momentos. O design thinking é uma ferramenta que ajuda a estimular a inovação a partir do pensamento criativo, com objetivo de encontrar métodos diferentes para solucionar problemas diversos.

A técnica surgiu na área de designer, mas que pode se expandir para qualquer área, pois seu objetivo é utilizar da empatia e criatividade para atender as necessidades de seus clientes e criar soluções de forma inovadora.

Então, sem mais delongas, vamos entender melhor qual o real objetivo dessa ferramenta e quais são os passos que podemos seguir para aplicá-los nas organizações de maneira efetiva.

O que é design thinking?

O design thinking, algo que traduzimos como “pensamento do designer”, se traduz como uma abordagem que propõe utilizar métodos diferentes para solucionar problemas, otimizando seu tempo e os seus resultados.

A ideia é que todos os envolvidos, de forma colaborativa, busquem soluções criativas para as questões que visem a satisfação dos clientes. Porém mesmo sendo um conceito que surgiu na área do designer, essa abordagem vai além dessa estética e pode ser aplicada em qualquer organização.

Isso pois se trata de uma abordagem funcional, eficiente e que busca fazer a diferença na vida das pessoas. Ajudando, é claro, que por trás de todo processo, a equipe chegue em soluções inovadoras.

No design thinking não existe uma fórmula específica de como implementá-lo. Ele possibilita condições para geração de insights. Sendo seu objetivo realizar isso em equipe para reunir o máximo de perspectivas diferentes.

Como o design thinking pode ser aplicado?

Todas as organizações são livres quanto ao método de aplicação dessa abordagem, pois cada empresa possui necessidades diferentes, sendo necessário realizar adaptações no processo. Mas existem alguns pilares essenciais para se conhecer antes de se iniciar qualquer processo, são eles:

  • Empatia: tentar enxergar o problema pelos olhos das pessoas que estão vivenciando aquilo. Em muitos casos, seria ter uma visão de mais empatia pelos seus clientes e entender quais são suas queixas e dores.
  • Colaborar: o design thinking propõe que todos estejam envolvidos para gerar o máximo de ideias possíveis, colaborando assim na busca por soluções e alcançando mais abrangência.
  • Experimentar: essa abordagem se trata de algo prático, ou seja, é preciso que as ideias sejam testadas para garantir sua efetividade.

Além disso, uma das dúvidas mais comuns é como realmente aplicar o design thinking de forma eficaz, já que pode parecer um tanto abstrato pensar apenas nos conceitos. Para isso, é preciso seguir algumas etapas da abordagem e entender como esse conceito pode ser aplicado. Ao total são 5 etapas a serem analisadas.

Quais são as 5 fases do design thinking?

Seguindo essas fases a seguir, pode ser mais fácil identificar como o objetivo da abordagem é fazer a experiência e a necessidade dos clientes serem valorizadas em todo o processo. Vejamos.

1 – Imersão: empatia com seus clientes

Este está relacionado com um dos pilares da abordagem. Pois se trata da empatia que se deve ter com seu público e entender quais são as suas necessidades. Aqui é o momento onde você e sua equipe vão se colocar no lugar dos seus clientes, entender quais são seus interesses, quais as dificuldades, entender qual sua necessidade e qual o melhor caminho para atender a isso tudo.

Ter empatia é uma chave importantíssima. Nesta etapa, são identificados todos os obstáculos e os responsáveis precisam ter uma mente aberta para entender bem as demandas.

2 – Definição: definir quais problemas devem ser resolvidos

Com todas as informações que você coletar durante a primeira fase, você irá definir qual é o problema principal a ser resolvido, e definir ideias de caminhos possíveis para sua solução.

É necessário elencar quais são as prioridades e se unir com a equipe para fazer o levantamento de ideias. Você precisa identificar quais são as necessidades indispensáveis do público e formas de solucioná-las.

3 – Ideação: levantamento de ideias

Neste momento, você vai realmente colocar em prática e conversar com a equipe o que pode ser realizado. Até o momento, foram entendidos quais são os problemas e quais devem ser prioridade, agora é o momento de pensar em como solucionar isso.

É importante lembrar que nesse momento tudo é válido e importante. Este é um momento de brainstorming, onde todas as ideias que surgirem serão bem-vindas. As ideias devem fluir e todos os envolvidos participarem com sugestões, nada deve ser ignorado. Assim, o processo se torna mais efetivo e colaborativo.

4 – Prototipação: esse é o momento da simulação!

Essa é a fase onde as ideias levantadas até o momento vão se tornar prática. Após selecionada qual será a melhor solução para o problema inicial é o momento de simular se o serviço ou até mesmo o produto seria eficaz caso fosse implementado.

É muito importante realizar testes, criar protótipos e simulações para que possíveis erros possam ser identificados e tratados antes de serem disponibilizados ao público.

5 – Validação e implementação: o momento de validar seus testes e colocá-las em prática

Finalmente, a última etapa! Esse é o momento de realmente colocar em prática todos seus testes realizados até o momento e observar quais serão os feedbacks do seu público. Nesta fase, ainda é possível realizar as alterações necessárias para entregar aquilo que seu consumidor precisa, otimizando ainda mais seu produto ou serviço oferecido.

Para que a implementação ocorra de maneira eficaz, é preciso mostrar o que foi desenvolvido, quais os diferenciais e vantagens, a fim de que o público entenda o quanto aquilo foi pensado e planejado exclusivamente.

Por que usar o design thinking?

Aplicar o design thinking pode te ajudar a entender mais quais são as expectativas e necessidades de seus clientes e o que ele espera da sua empresa.

A organização que se preocupa em saber quais são os problemas dos clientes e trazer as soluções para isso será um destaque no mercado, pois demonstra o quanto valoriza seu público. E mais que valorização, o público e envolvidos no processo se sentem mais integrados, estimulando mais a empatia e colaboração.

Por fim, o design thinking pode ser muito eficiente para quem busca métodos de como encontrar respostas para as questões mais relevantes do seu negócio. Conseguiu entender de modo geral sobre o que se trata essa abordagem que por meio de soluções inovadoras busca otimizar seus processos e melhorar sua gestão?

Em uma próxima oportunidade podemos nos aprofundar mais e trazer exemplos práticos das etapas da abordagem. Mas caso queira se aprofundar mais no assunto de imediato e começar a aplicar o método na sua empresa, a QMS oferece uma assinatura anual que conta com mais de 30 cursos de gestão e um deles é sobre design thinking, você pode conhecer mais clicando aqui!

QMS Certification

QMS Certification

A QMS Certification é um organismo de certificação internacional acreditado que atua especificamente com certificação de sistemas de gestão e treinamentos de normas aplicáveis.

Webinar do mês

Confira nossos conteúdos ao vivo!

Todo mês ensinamos ao novo gratuitamente, confira e se inscreva!

Nos webinars que você assistir ao vivo, há liberação de um certificado de participação ;)

Logo Q Academy Branco

Cursos online de
Sistemas de Gestão

Tratamento de Não Conformidades: Análise de Causa

Tratamento de Não Conformidades: Análise de Causa

No universo da gestão de qualidade, um dos aspectos mais cruciais é o tratamento eficaz de não conformidades. A análise de causa é um procedimento indispensável nesse contexto, proporcionando um caminho para evitar sua recorrência. Saiba mais!

Guia Completo Acreditação ONA

[Guia Completo] Acreditação ONA

Em 1 de março de 2024 a QMS adquiriu a TS4 Saúde e agora atua como uma instituição acreditadora credenciada (IAC) ONA. Mas afinal, o que é ONA?