Como a ISO pode ajudar as empresas a saírem da crise?

Enfrentamos um inimigo invisível. O coronavírus fez com que todos os planos, viagens, investimentos, compras fossem adiados para daqui a dois ou três meses, pelo menos. E como poderemos nos reerguer diante de um colapso mundial? Muitos já classificam o ano como perdido, mas resolvi me manter positivo e procurar informações seguras sobre como o mundo já se recuperou de outras crises. Foi então que me recordei que a ISO (International Organization for Standardization) foi criada em 1947, apenas dois anos após o fim da Segunda Guerra Mundial e podemos aprender muito com ela.

Com o objetivo de reconstruir o mudo devastado pela guerra, a ISO criou normas para padronizar a produção dos países, facilitando o comércio internacional. Uma curiosidade interessante é que o próprio nome ISO deriva da palavra grega “isos”, que significa “igual”.

Nas primeiras décadas de existência, a ISO buscou criar padrões para produtos e tecnologias. Entre as normas mais conhecidas estão a ISO 9001, com foco em gestão de qualidade, e a ISO 14001, com padrões para gestão ambiental. Hoje, a organização já conta com 164 países-membro e mais de 3 mil órgãos técnicos.

Webinar: ISO 56002 e ISO 30401 – É hora de fazer gestão diferente!

Não estamos em cenário pós-guerra, mas a solução para reerguer as empresas diante da pandemia do novo coronavírus também pode partir de uma norma internacional, como por exemplo, a ISO 22301, de continuidade de negócios (ou gestão de crises, como alguns preferem), ou a mais recente norma ISO 56002, de gestão da inovação.

Curiosamente, a ISO de inovação começou a ser estudada durante a crise econômica de 2008, após a falência do tradicional banco de investimento norte-americano Lehman Brothers. Depois de 11 anos de estudos, a norma foi lançada em julho de 2019, como uma nova metodologia para ajudar as empresas a se preparem para as incertezas do futuro.

Contudo, o fato demonstra que as crises sempre acabam gerando novas oportunidades e, muitas vezes, impulsionando a inovação. Inclusive o Brasil teve os primeiros cases de implementação da ISO 56002 da América Latina, sendo uma indústria de transformação e a outra é uma empresa de serviços. Ambos ocorrem na mesma semana em que a norma foi oficialmente publicada, em Genebra, Suíça, cidade sede da ISO. No caso da indústria, ela já coleciona vários resultados, sendo o mais relevante deles o fato de que 9% de seu faturamento total, em 2019, ser advindo dos 133 novos produtos que foram lançados a partir do processo de implementação e certificação da ISO 56002. Entre outros benefícios, eles notaram a redução do turn over, a queda dos juros bancários e a maior abertura do mercado internacional, visto que a ISO é a língua mundial dos negócios.

Sabemos que o momento é de muita cautela e cuidado, porém se vermos ao longo da história, muitas oportunidades e inovações ocorreram depois de grandes crises humanitárias, como a peste bubônica, que ajudou a criar a medicina moderna, ou a pandemia de cólera na Inglaterra, que impulsionou a Revolução Industrial. É hora de ver o copo “meio cheio” e estar preparado para as oportunidades que irão aparecer. As normas ISO certamente podem ajudar muito nessa nova jornada.

Webinar: ISO 56002 e ISO 30401 – É hora de fazer gestão diferente!

QMS Certification

A QMS Certification é um organismo de certificação internacional acreditado que atua especificamente com certificação de sistemas de gestão e treinamentos de normas aplicáveis.

Webinar do mês

Confira nossos conteúdos ao vivo!

Todo mês ensinamos ao novo gratuitamente, confira e se inscreva!

Nos webinars que você assistir ao vivo, há liberação de um certificado de participação ;)

Logo Q Academy Branco

Cursos online de
Sistemas de Gestão

Compliance no Terceiro Setor: Entenda a sua importância

Compliance no Terceiro Setor: Entenda a sua importância

O terceiro setor é uma esfera da atividade econômica que engloba organizações não governamentais (ONGs), associações, fundações e outras entidades que atuam com finalidades sociais, ambientais, culturais ou de desenvolvimento comunitário, mas que não raras vezes são usadas para prática de fraudes, por isso o Compliance no