5 aspectos fundamentais em um sistema de gestão ambiental ISO 14001:2015

Conheça alguns aspectos primordiais da ISO 14001:2015 e dos sistemas de gestão ambiental!

Cada sistema de gestão (seja ele criado pela ISO, International Organization for Standardization, ou não) possui suas peculiaridades. Por isso, ao implementar um padrão de gestão, é preciso ter muito claros quais os principais pontos de atenção deste sistema.

No caso da ISO 14001:2015, existem alguns fatores que, por assim dizer, são ainda mais intensos e determinantes para o sucesso de uma implantação. Enquanto, por exemplo, a ISO 9001 tem a função de “organizar a casa” e assegurar processos melhores; a 14001 está focada na questão ambiental e em como a empresa trata seus recursos, desenvolvendo mais ou menos resíduos.

Isso não significa, é claro, que a 14001 não vá atuar sobre os processos, pelo contrário. Entretanto, é preciso compreender que ela está focada em uma saída específica e, por isso, vai ter um “peso” maior na área em que ela busca afetar.

Ao contrário da Qualidade, por exemplo, que vai se atentar “ao processo ponta a ponta”, no fim das contas, o que importa para a gestão ambiental é melhorar o aproveitamento dos recursos e, assim, emitir menos resíduos.

Os principais aspectos da ISO 14001:2015- Sistema de Gestão Ambiental

Obviamente, a norma inteira é essencial para criar um sistema de gestão ambiental (SGA) que traz resultados. Entretanto, existem 4 pontos de atenção que precisam, ao final, serão os que vão fazer diferença em como o SGA realmente funciona.

Neste artigo, vamos falar um pouco sobre cada um deles.

1 – Criar competências e conscientizar as equipes

Este é um aspecto mais óbvio, e válido para toda e qualquer norma. Entretanto, é preciso compreender que, muitas vezes, os colaboradores não têm ideia do que é a gestão ambiental e, por isso, a negligenciam.

Em maior ou menor grau, todas as pessoas que prestam serviço para a organização deverão ter consciência de como elas utilizam os recursos e, assim, sobre como elas podem promover melhorias no sistema.

Sem treinamento e conscientização, toda e qualquer ação realizada pela empresa será, no mínimo, mal aceita. Isso impactará não só na não conformidade com a norma, mas na falha em melhorar o aproveitamento dos recursos e redução dos resíduos. O que nos leva ao segundo ponto:

2 – Garantir que o “5W2H” rode perfeitamente

Geralmente, a maioria das ações de implementação de um sistema ambiental ocorre por meio de projetos. Isso ocorre porque ao analisar os gaps da 14001 na empresa, nota-se que muitas mudanças drásticas precisam ser feitas. E é comum que isso envolva, também, infraestrutura.

No título, eu usei o 5W2H como exemplo, mas o ponto é: a gestão de projetos da empresa precisa ser ainda mais pontual e ainda mais assertiva!

Na qualidade, por exemplo, pode acontecer de os resultados de alguma ação não ficarem claros durante o planejamento, pois “assegurar a qualidade” é bem amplo. Por exemplo, qual é o resultado esperado de um mapeamento de processos? Isso precisa estar bem claro nos objetivos da qualidade. 

Já na gestão ambiental, o resultado é mais claro: reduzir os impactos ambientais. Dessa forma, se os projetos não correrem de acordo com o planejado, os resultados serão claramente ruins. Projeto mal executado é igual a “não melhora” no aproveitamento dos recursos e “não redução” dos resíduos.

 

9.1 Monitoramento, medição, análise e avaliação

Por ser um norma que, efetivamente, pretende reduzir os resultados de algo produzido pela empresa: os resíduos, a 14001 tem um foco muito forte no “Monitoramento, medição, análise e avaliação”, item 9.1 da norma.

É preciso monitorar constantemente os processos, medir seus resultados e saídas e, assim, coletar informações que serão utilizadas posteriormente para analisar e avaliar a efetividade do SGQ. Sem que esse aspecto funcione corretamente, a chance de falha é gigantesca.

Aqui, precisamos ter muito foco e atenção. Tanto no momento de implementar o sistema, criando os controles adequados e condizentes com nossa realidade. Quanto no momento de auditar, compreendendo se a empresa, de fato, está monitorando, medindo, analisando e avaliando tudo na extensão necessária.

 

Atenção à documentação!

Este pode ser um assunto um pouco polêmico, afinal temos uma visão antiquada e errônea de que as normas ISO podem gerar burocracia e excesso de documentação. Aqui, não quero entrar no mérito de isso ser ou não verdade, não quero discutir isso.

Entretanto, quando falamos sobre a ISO 14001 e os sistemas de gestão ambiental, existem inúmeros documentos legais envolvidos. Ou seja, existem diversas licenças e etc que precisam estar em dia para cumprir a legislação vigente e manter-se em dia com obrigações impostas pela lei. Além, é claro, de diversos registros de obrigações de conformidade.

Portanto, compreender como criar uma documentação mais eficiente e que ajude a empresa é fundamental na hora da implantação. E na hora de auditar, também é preciso foco e atenção para garantir que todos os documentos necessários estão em dia!

 

Não perca de vista o verdadeiro objetivo da ISO 14001!

Acima de tudo, lembre sempre do verdadeiro objetivo desta norma!

Todos esses aspectos servem para ajudar a melhorar a gestão dos recursos da empresa, reduzindo a emissão de resíduos e, assim, trazendo maior competitividade e resultados para a organização!

Se estes objetivos estiverem claros para você e sua equipe, todas as partes interessadas serão beneficiadas!

QMS Certification

A QMS Certification é um organismo de certificação internacional acreditado que atua especificamente com certificação de sistemas de gestão e treinamentos de normas aplicáveis.

Webinar do mês

Confira nossos conteúdos ao vivo!

Todo mês ensinamos ao novo gratuitamente, confira e se inscreva!

Nos webinars que você assistir ao vivo, há liberação de um certificado de participação ;)

Logo Q Academy Branco

Cursos online de
Sistemas de Gestão

Compliance no Terceiro Setor: Entenda a sua importância

Compliance no Terceiro Setor: Entenda a sua importância

O terceiro setor é uma esfera da atividade econômica que engloba organizações não governamentais (ONGs), associações, fundações e outras entidades que atuam com finalidades sociais, ambientais, culturais ou de desenvolvimento comunitário, mas que não raras vezes são usadas para prática de fraudes, por isso o Compliance no